segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Acampamento de Inverno Para Músicos Nem Tão Talentosos - Resenha



Olá leitores!

A resenha de hoje é MUITO especial! Sabem por que?

Porque é do livro da linda Clara Savelli, autora parceira aqui do blog! \o/\o/\o/



Em Acampamento de Inverno Para Músicos Nem Tão Talentosos vamos conhecer Amanda, uma menina de aproximadamente 17 anos, tímida e que sabe trocar só 3 músicas na flauta.

A melhor amiga dela, Lila, acha que isso é um grande feito e convence Amanda a ir com ela para um acampamento para músicos onde elas terão aulas de 2 disciplinas diferentes (matéria específica gente) e, ao fim do acampamento, apresentar na frente de todos os alunos e pais em um grande show.

Só que, ainda dentro do ônibus e a caminho do acampamento, Amanda já se arrepende de ter se deixado ser convencida pela amiga. O monitor, Bruno - que por sinal ela o acha lindo, pede para que ela seja a primeira a se apresentar. E para uma pessoa tímida vocês já viram né?

No acampamento, as garotas conhecem Gustavo e Eduardo. Gustavo, super tranquilo e bacana se aproxima de Lila, que deixa a amiga de lado durante quase todo o acampamento. Já Eduardo, parece bicho do mato e mal fala com Amanda. Só que para quem ta do lado de fora da treta toda, é bem visível os sentimentos do garoto em relação a protagonista.

Amanda é bem atrapalhada e culpa Murphy por tudo o que da errado. Contudo, ela vai perceber que seu lado atrapalhado é o que ela tem de mais bonito.

Clara Savelli nos trouxe um bom e velho clichê. Ler este livro fez uma bem para a alma e para a cabeça! É uma leitura gostosa e ótima para relaxar!

As emoções sobre com quem Amanda ficará no final do livro e sobre quem é o misterioso contrabandista de bebidas alcoólicas (esse me surpreendeu) no acampamento, é gostoso e nos faz querer sempre mais das atrapalhadas de de Amanda em relação ao mundo e aos homens!

Não tenha dúvidas de que um sorriso maroto irá brotar dos seus lábios a cada página. A leitura é contagiante, relaxante e super divertida. É uma leitura que vale a pena!

O livro não tem uma edição física, mas você pode adquirir seu e-book na Amazon clicando aqui!  <3

domingo, 29 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Dezembro - Resenha

Eu simplesmente adorei o fato de a capa de dezembro ser preta e branca pois todas as complicações que Audrey Carlan colocou na trama serão resolvidas e tudo ficará como deve ser: preto no branco.

Em dezembro Mia vai para Aspen, uma estação de esqui onde os ricos passam as festividades de fim de ano em chalés luxuosos repletos de decoração de natal, para fazer uma reportagem sobre uma artista local e outros tipos de artes da região a pedido de um arquiteto milionário (resumindo: o cara pagou).

Obviamente não posso dar muito mais detalhes sem dar spoilers. Contudo, este livro também foi um tanto quanto previsível e é possível descobrir de cara quem é a tal artista.

Eu não tenho conhecimento sobre o transtorno bipolar de forma que não posso falar nada muito substancial e não sei se o fato da desculpa não ter colado para mim (ter parecido algo sem sentido) é justa.

O que importa é que agora Mia tem uma família e vai, junto com ela, dar os passos necessários para selar seu futuro. Para mim, foi o fim de uma série que há muito deveria ter acabado.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Novembro - Resenha

Na minha opinião, essa é a capa mais feia dentre todas as dos livros da série. Simplesmente achei o vestido feio. Contudo, se formos pensar no que acontece nesse volume, faz sentido.

A "aventura" de novembro é, na minha opinião, tão sem graça quanto o vestido que esta na capa. O único ponto alto é uma surpresinha que Weston faz e que realmente não faz TANTA diferença assim para a história.

Não vou falar qual é a surpresa para não dar spoiler. Claro!

Alem disso, a unica coisa que posso falar sobre o livro é que Mia vai rever muitos dos amigos que fez durante o ano. Weston terá ciumes? Sim. Contudo, ele irá criar mais memórias maravilhosas com Mia.

Esse foi para mim o livro mais arrastado da série e me deu a entender que a autora só escreveu ele porque precisava completar o calendário.

A unica parte que me prendeu um pouquinho, e mesmo assim foi BEM pouco, foi o dia de ação de graças de Mia com a família pois é um evento que não celebramos no Brasil e a autora caracterizou a comemoração de maneira que pude visualizar bem tudo o que acontece na cultura americana.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Outubro - Resenha

Outubro foi o volume que, para mim, mais sofreu com a má construção da temporalidade. Me senti perdida no tempo e totalmente deslocada enquanto Weston tentava se recuperar do ocorrido usando o corpo de Mia.

E ai, citando como a autora trabalhou o trauma sofrido pelo cineasta, chegamos a mais um ponto que para mim foi algo inadmissível e sem sentido algum.

Weston volta para casa após um período de terror com um grande trauma a ser superado (não vou entrar no mérito do problema para não dar spoilers para quem ainda não leu os volumes anteriores) e não procura um psicólogo.

O mais incrível de tudo é que NINGUÉM tem a capacidade de levar o homem em um.

Mia se acha a salvadora do mundo e junto com uma pessoa que esta doente mentalmente (devido ao trauma) e com a alma ferida de um jeito terrível, acha que tudo se cura com sexo.

Sinceramente eu achei isso uma loucura absurda, visto que esse não é o jeito correto de se trabalhar um trauma (eu sou leiga em psicologia, mas é o que acho). Além disso, acho que isso pode influenciar muitas pessoas a pensarem do jeito errado. Pode fazer com que as pessoas acreditem que possam resolver tudo sozinha, o que venhamos e convenhamos, é mentira.

Tudo bem que em um certo ponto da história Weston acabe indo se consultar com um psicólogo. Porem, creio que mesmo assim isso seja totalmente absurdo.

Nesse volume, alem de lidar com o truma de Weston, Mia terá que seguir com os planos de seu novo cliente: o renomado apresentador de TV dr. Drew Hoffman.

Mia precisará apresentar um quadro no programa de seu cliente, superar a indiferença que o ego das pessoas da emissora transmitem e ainda conseguir agarrar a chance de um trabalho fixo na emissora.

Será que tudo vai dar certo?

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Setembro - Resenha

Setembro foi definitivamente um dos melhores volumes da série embora a temporalidade tenha atrapalhado um pouco o andamento da história. Porem, muita tensão e surpresas podem ser esperadas para o mês de setembro.

Mia volta junto com Madison para visitar o pai que piorou de saúde depois de contrair um virus no hospital. As meninas temem por sua vida e passam cada segundo que podem no quarto.

Maxwell voa do Texas para Las Vagas para dar o apoio que as irmãs precisam e bota ordem na coisa por assim dizer. Leva as meninas para dormirem em um hotel na frente do hospital.

Ao mesmo tempo em que se preocupa com o pai, Mia não deixa de pensar e de se preocupar com Weston que tinha ido gravar la no fim do mundo e não da mais notícias. Para livrar a cabeça dessa preocupação e para descobrir mais um drama em sua vida, Mia usa o gigante favor que Warren lhe deve. (Não vou entrar e nem falar qual é o drama para não dar spoilers, mas digo que a coisa é GRANDE).

Como se não bastasse tudo isso que citei acima, Mia da o cano no cliente de setembro (óbeviu né galera?) e não tem alternativa a não ser cumprir a cláusula do contrato que diz que se ela falhar com um cliente, no sentido de não comparecer para o trabalho, ela deve pagar os 100 mil que receberia para ele como forma de pagar pela inconveniência. Dessa forma, o dinheiro que ela ganhou de Maxwell no mês anterior é usado para o cliente que ela deveria ter atendido. Resumindo: ela não terá dinheiro para pagar Blaine Babaca Pintero, o agiota.

E todo mundo sabe que agiota não deixa por isso mesmo. Blaine vai atrás e cobra de Mia a parcela que ela deve contudo Mia não responde pois realmente não sabe o que fazer visto que a sra. Milan, sua tia, não tem dinheiro para lhe emprestar e que ela não tem coragem de pedir o dinheiro a Maxwell.

O que acontece então?

Blaine da uma lição em Mia por meio de alguem que ela ama muito e isso destrói mais um pedacinho do coração da protagonista de Audrey Carlan.

O livro foi realmente emocionante e foi um dos poucos volumes que me prendeu do começo ao fim. A trama foi bem trabalhada e deixa o leitor com o coração apertado do começo ao fim.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Agosto - Resenha

Não sei se foi só eu, mas desde o começo desse volume eu já sabia o que iria acontecer. Foi extremamente previsível.

Em agosto, Mia vai para o Texas fingir ser a irmã há muito desaparecida de Maxwell Cunningham, um cara alto, loiro, lindo de morrer (igual todos os outros), super simpático, casado, pai de dois filhos, rico, herdeiro de uma grande empresa de petróleo.

O pai de Maxwell morreu e deixou no testamento que apenas 51% da empresa seria dele. Os outros 49% devem ser dados para a irmã de Maxwell, uma irmã da qual ele nunca tinha ouvido falar e que tem a mesma data de nascimento que Mia e cujo nome é similar (a desculpa é que ninguém entende a letra do falecido).

O fato é que desde o momento em que Mia chega no Texas, Maxwell se mostra emocionado e extremamente feliz. Alem disso, Mia vê algumas semelhanças entre ele e Madison mas não acha que isso seja relevante.

Durante todo a narrativa, Mia visita a empresa e tenta aprender o máximo sobre a história para que possa fingir ser a irmã perdida e assim, evitar que o restante da família Cunningham tenha acesso aos 49% da empresa.

Na minha opinião o volume foi bem ruinzinho visto que é totalmente previsível. A temporalidade continua não sendo bem trabalhada, mas não é algo que vai atrapalhar muito neste volume. O gancho para o volume do mês de setembro foi simples mas completamente plausível.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Julho - Resenha

Em julho vamos voltar ao dilema que coloquei na resenha do mês de maio visto que Mia é contratada por um famoso cantor de hip-hop para ser a estrela de seu novo vídeo clip.

Por que ele iria contratá-la para estrelar o clip e não uma atriz?

Porque ele a viu em revista de famosos e porque a mídia está de olho nela.

E ai, mais uma vez me questionei sobre isso visto que a autora jamais deixou isso claro e porque Mia não sabe NADA sobre dançar. A mídia estava sim presente no dia a dia de Mia visto que eles sempre iam atrás dos CLIENTES dela. Porem, a autora jamais falou que a mídia estivesse atrás de Mia.

Mas okay... Vamos la...

Anton Santiago, mais conhecido como Latin Lov-ah é um cantor famoso de hip-hop, latino e que tem um prédio só para ele em Miami. Ele também tem fama de sedutor e tem a assistente pessoal dele, Heather Renee que está a beira de ter um treco pois trabalha como empresária e recebe como assistente. Bom... Na verdade ela tem um surto por conta disso.

Alem disso, Mia precisa aprender a lidar com o trauma vivido no mês anterior (uma coisa que na minha opinião a autora deveria ter trabalhado melhor), a dançar e ela e Wes voltam a se encontrar.

domingo, 22 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Junho - Resenha

Junho vai ser o mês da política e da treta!

Mia vai para Washington para acompanhar Warren, pai de um senador da Califórnia, a fim de ajudá-lo a conquistar outros bilionários e convence-los a ajudar na transição de remédios e médicos para países de terceiro mundo.

Os caras que eles precisa conquistar são velhos, ricos e que andam acompanhados de mulheres com metade de sua idade.

Até ai tudo bem! É algo que realmente acontece. A situação me incomodou quando Mia conhece uma das jovens que está grávida de seu marido (um velho). A mulher está com os hormônios a flor da pele e chega a sugerir para Mia que ela fizesse um ménage no banheiro. Mia fala que não, deixa o casal e comenta com o leitor que a moça parecia uma ninfomaníaca quando, na minha opinião, Mia é bem parecida pois nunca vi alguém querer ter relações sexuais todo dia e toda hora.

FONTE: www.dicio.com.br

Mia diz ser diferente e talvez eu tenha a impressão de que ela seja maluca por sexo justamente porque, como falei nas resenhas anteriores, a autora não trabalha a passagem de tempo de maneira clara no decorrer da história.

Durante toda a complexa missão de conquistar os velhos ricos para que Warren tivesse caminho livre para levar ajuda médica para os necessitados no terceiro mundo, Mia se envolve em um problema com o filho dele, o senador Aaron.

O problema, não vou falar qual para não dar spoiler, é muito importante e dele ser levado a sério pois pode trazer consequências severas para muitas pessoas. Alem disso, é algo pelo qual muitas pessoas passam (em sua maioria mulheres) e foi muito bem representado pela autora nesse volume.

sábado, 21 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Maio - Resenha

No mês de maio Mia vai para o Havaí para fazer fotos para propaganda de um estilista de moda praia.

Por que um cara iria querer ela e não uma modelo profissional?

Porque ele viu Mia em fotos de revistas acompanhada de pessoas famosas e pensou que seria bom ter alguém que está recebendo atenção da mídia para lançar sua coleção moda praia.

Essa desculpa na verdade me ficou esquisita quando li pois em momento algum, apesar de estar sempre saindo com caras ricos e de influência, a autora deixou claro que a mídia estava interessada em Mia de forma que achei a desculpa para que o cliente a quisesse um tanto quanto esfarrapada.

No Havaí, Mia vai conhecer, alem do famoso estilista, um samoano alto, forte e sexy chamado Tai que irá posar com ela para muitas das fotos. Vai descobrir como a mãe louca dele prevê o futuro e como o samoano/modelo pode ser quente.

Nos períodos entre trabalho e sexo selvagem com Tai, Mia irá passar um tempo com Madison e Ginelle, que irão passar seu período de férias ao lado dela. Mia irá descobrir que Madison não é mais "pura" e Ginelle irá aproveitar seu tempo livre com Tao, irmão de Tai.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Abril - Resenha

Mason Murphy. Jogador de basebol do Red Sox. Lindo. Galinha. Babaca. Ele se acha (e MUITO), mas para tudo isso tem uma explicação.

Esse é o cliente de Mia no mês de abril.

Missão do mês: Ajudar Mason a melhorar sua imagem, sendo namorada fixa dele.

Mia vai passar algum tempo driblando a babaquice de Mason com paciência e pulso firme a fim de conhecer melhor o jogador e poder cumprir com seu trabalho.

Nesse meio tempo, Mia conhecerá a relações públicas de Mason: Rachel Denton, que é apaixonada pelo jogador mas que não se aproxima porque o cara é MUITO babaca e galinha. Alem disso, se eles se envolvessem, o relacionamento não seria bem visto pelos patrocinadores e isso prejudicaria a imagem de Mason.

Contudo, durante o desenrolar da história, Mia percebe quem Mason realmente é e coloca seu lado cupido para tentar juntar o casal. Só que enquanto ela faz isso, precisa fazer com que todo o resto do mundo acredite que os dois estão juntos e para isso ela conhece a família de Mason e até mesmo o ajuda a planejar e realizar um evento beneficente em memória a mãe de Mason que morreu vítima de câncer de mama.

Nesse ponto, eu fiquei encantada. Achei bem legal a autora destacar no livro a importância da realização de exames e prevenção da doença independente da idade,

A temporalidade nesse volume da série continua um pouco confusa mas não irá interferir tanto na história. Ainda existem cenas de sexo desnecessárias durante a narrativa, deixando tudo muito forçado. Para mim, a autora colocou cenas de sexo (algumas, não todas) a fim de manter o volume da série na categoria de livro hot, tornando algumas cenas totalmente desnecessárias. 

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Março - Resenha

Em março, Mia vai para Chicago passar 24 dias ao lado de Anthony Fasano, um empresário para lá de rico e dono de uma das maiores redes de restaurante italiano.

A melhor parte deste livro da série é quando Mia descobre porque Anthony Fasano precisa que ela finja ser sua noiva (se você ainda não adivinhou o porque, continue a ler essa resenha!).

Poliana, você vai contar por que?

Vou!

Mas isso não é spoiler?

Não porque está bem no começo do livro e porque se eu não contar, vai ser impossível fazer essa resenha!

O fato é que Anthony é homossexual, tem um caso com seu melhor amigo, que por acaso é o advogado que cuida das coisas da empresa da família, e não quer assumir sua sexualidade por dois motivos:

1. Ele é o único filho homem e a mãe (o pai é falecido) vê nele a única chance de levar o sobrenome Fasano para frente.

2. A empresa está ampliando os negócios e um escândalo pode estragar tudo.

Durante o mês de março, Mia vai reencontrar Weston e vai aprender a importância de se demonstrar os sentimentos e como amar pode curar uma alma perdida.

A má construção da temporalidade continua neste livro, mas não é nada que cause uma interferência absurda no caminhar da história. Não me conectei com os personagens embora tenha conseguido dar umas boas risadas.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Fevereiro - Resenha

Em fevereiro, Mia vai de Malibu para Seattle (sim, aquela mesma cidade citada em Crepúsculo da autora Stephenie Meyer) para trabalhar ao lado de Alec Dubois, um pintor francês que a contrata para ser sua musa inspiradora.

Desta vez, por precisar pegar um avião, Mia não leva Suzi. Um motorista de poucas palavras a pegou no aeroporto e a deixou no estúdio de Alec onde uma porção de gente corria e gritava para modelos nus enquanto outra porção tirava fotos.

Sim, uma verdadeira zona! O fato é que Mia se perde nessa bagunça de gente e acaba por causar uma confusão, estragando telas, causando impaciência  nas porções de funcionários e torcendo o pé. A partir dai tomamos o conhecimento de que Alec mora no mesmo prédio em que trabalha (apenas em um andar diferente) e que  Mia passará praticamente o mês inteiro de muletas o que casa agustia pois ela não sabe se Alec irá mante-la ou dispensa-la (e ela precisa pagar Blaine!).

Bom... É obvio que ele não a manda embora (senão não teríamos a série).

Alec a ajuda durante o trabalho e mostra a Mia como a arte é algo que vai alem da tela (e alem da cama!). Ele mostra o quanto é importante amar a si mesmo e como podemos amar várias pessoas de maneiras diferentes.

Assim como no primeiro livro, Mia se despede com uma carta e sai sorrateiramente. Eu continuei me perdendo na temporalidade mal construída e sem me conectar com os personagens. Assim como o mês de janeiro, fevereiro é uma leitura rápida e que, para mim, deve ser feita quando não se tem nada melhor para fazer. Mia mais uma vez se entrega rapidamente ao cliente e isso me causa estranheza pois não acho que alguém se habitue tão rápido à um trabalho que julgue indecente.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Janeiro - Resenha


O primeiro livro da série A Garota do Calendário nos mostra (desde o título) que os acontecimentos ali narrados aconteceram durante o mês de janeiro. Contudo, a temporalidade da história é um tanto quanto confusa (pelo menos foi para mim).

Nesse primeiro livro vamos conhecer a mocinha e protagonista da história: Mia Saunders.

Mia teve uma vida difícil (literalmente). Sua mãe foi embora quando ela tinha 10 anos e a irmã, Madison (ou Maddy para os íntimos), 5. Seu pai, que era loucamente apaixonado pela mulher que o abandonara, acabou caindo em depressão e nos vícios da bebida e dos jogos de cassino. Desde então, Mia teve que ser mãe, pai e irmã para Madison.

MAS... Mia não tem apenas Madison em sua vida. Mia tem uma amiga louca (quando vocês lerem vão entender) chamada Ginelle (Vagaba Sem-Vergonha para os íntimos) que trabalha de dançarina nos cassinos.

A protagonista da história nos relata que sua vida nunca se envolveu com caras decentes (segundo ela, sorte no amor é uma coisa que sempre faltou). Ela relata algumas de suas experiencias e nos fala de seu relacionamento com Blaine Pintero, um agiota (ela não sabia que ele era agiota embora ele dissesse que trabalhava no ramo de empréstimos) que colocou seu pai em coma por não ter pago a dívida de 1 milhão de dólares.

E ai começa o drama da história que Mia irá viver até o fim da série. Após colocar o pai de Mia em coma, Blaine a procura e avisa que ela deve pagar a dívida do pai para que ela, o pai e a irmã pudessem continuar a viver.

Então, para conseguir ter pelo menos uma chance de viver, Mia despede o agente que "tentava" arranjar papéis para que ela seguisse na carreira de atriz e vai trabalhar com a sra. Milan, que na verdade é a irmã de sua mãe, como acompanhante de luxo. Deste modo, Mia combina com Blaine que a dívida será paga em 12 parcelas de 100 mil dólares (seu salário de acompanhante).

Após conversar com a sra. Milan sobre o contrato e o que consistia o emprego de acompanhante (literalmente acompanhar o cliente no que ele precisar mas não necessariamente dormir com ele) e perceber que ser acompanhante não significa ser prostituta como a maioria das pessoas pensam (embora ela ganhe um bônus de 25 mil dólares caso precise ficar nua ou durma com os clientes), Mia parte para Malibu para conhecer seu primeiro cliente: Weston Charles Channing Terceiro, um roteirista de cinema super famoso.

De início, Mia recusa a limusine que iria buscá-la. Por que? Porque assim como qualquer pessoa normal em seu primeiro dia no trabalho novo, ela esta com medo. Desta forma, Mia pega Suzi - sua moto - e parte para o ponto de encontro: a escadaria que liga o estacionamento à uma praia na costa de Malibu.

Mia irá viver um mês intenso onde o amor pode bater (ou não) à sua porta - O sexo com certeza bate. Ela irá descobrir porque um roteirista famoso apaixonado por surf precisa de uma acompanhante e como em pouco tempo alguém pode se tornar importante para você. Contudo, independente do que vier a acontecer entre eles, Mia vai embora para seguir seu caminho como acompanhante de luxo. Eles irão continuar sendo amigos mas irão seguir sua vida agradecendo pela oportunidade de se conhecerem e torcendo para que seus caminhos possam se cruzar novamente.

O livro é bonzinho. Por que digo isso? Porque o espaço de tempo não é bem definido e faz com que eu me sinta um tanto perdida na história e porque os fatos (e os sentimento) acontecem e se fazem presente com uma velocidade atordoante (talvez esse fato se dê graças ao tempo mal definido).

Na minha opinião, o livro é uma boa leitura para aqueles momentos em que não se tem outra coisa para ler ou quando não se tem nada melhor para fazer. É bem regularzinho e não fez com que eu me conectasse a nenhum dos personagens no decorrer da narrativa. O livro também trouxe algumas incoerências logo de cara e me fez ficar perguntando: "Como?".

Por exemplo:

A Mia, em uma conversa com a sra. Milan, diz que em hipótese alguma vai dormir com seus clientes porque ela não é uma prostituta. Ela disse isso pois ainda não sabia direito sobre a profissão e inclusive porque estava com medo do cliente e da situação nova que estava vivendo.(Até aqui okay!). Contudo, não demora muito para que Mia vá deitar-se com Weston.

Para mim, a situação toda ficou forçada e me criou aquela dúvida: Vou conseguir continuar essa série?

Bom... Eu não sei como, mas eu consegui. E logo vocês terão resenha dos próximos livros.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Depois de Você - Resenha

Depois de Você é sequência do livro Como Eu Era Antes de Você e... Eu não gostei.

O livro não é de todo ruim. Ele tem a mesma pegada de romance e drama que o primeiro livro, tornando a duologia algo constante e único. Contudo, na minha opinião, a autora deveria ter parado no primeiro livro e deixado os leitores com aquela sensação de que a Louisa seguiu tranquilamente com a sua vida (não que ela não tenha seguido).

Para que você entenda melhor, imagine que um ex-namorado (o qual você amava muito) terminou com você. Tempos depois você o vê com outra pessoa. Você ainda o ama muito e quer que ele seja feliz. Contudo, isso não significa que você quer ver essa felicidade. Entendem?

Foi assim que me senti a respeito da Louisa. Eu queria que ela fosse feliz depois do primeiro livro e eu sabia que ela seria. Mas eu não queria ver. Até porque, na minha opinião, nada seria tão bonito quanto aquilo que ela e Will construíram juntos. E sinceramente, não foi mesmo.

Jojo Moyes começa o livro apresentando uma nova personagem ao leitor: Lily, filha de Will. Uma filha que ele nem mesmo sabia que existia. Uma garota tão louca (no bom sentido), aventureira e de forte personalidade quanto o pai.

Lily aparece para Louisa em dois momentos. No primeiro, Louisa se assusta e acaba por cair do telhado do apartamento onde mora em Londres. Ela estava em uma situação decadente, trabalhando como garçonete em um bar de aeroporto e é claro, pensando no Will.

Depois de se recuperar do acidente, Lily se apresenta de maneira aceitável (sem derrubar ninguém do telhado por acidente) e Louisa entra em um grupo de apoio para pessoas que perderam uma pessoa especial (algo no estilo de alcoólatras anônimos). O grupo é bem depressivo contudo, em alguns momentos é bem legal e te faz pensar sobre algumas coisas da vida.

Louisa vai passar este livro basicamente tentando esquecer Will (enquanto ajuda a filha louca dele) e tentando resolver as coisas com o novo homem da sua vida: um paramédico (que inclusive salvou ela quando o acidente do telhado aconteceu) que é tio de um dos membros do grupo de apoio (meio confuso né?).

Enfim, espero que curtam o livro. Ele não é ruim, só foi desnecessário (minha humilde opinião!).  ;)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Como Eu Era Antes de Você - Resenha

Eu sei que provavelmente todos vocês conhecem este livro ou que já ouviram falar dele. Mas, mesmo assim, eu quis trazer ele para vocês.

Pasmem (ou não), eu não consegui chorar com esse livro (com livro nenhum na verdade) e nem com o filme.

Por que Poli? Você é coração de pedra?

Não. Pelo menos eu não quero pensar assim. Mas vejam bem, romance definitivamente não é meu gênero favorito (embora eu goste bastante e até leia vários livros do gênero) e creio que isso seja parte do porque eu não chorei com a história da Louisa e do Will.

Bom, vamos a história!

Louisa Clark tem 26 anos e está desempregada (entendemos bem como são as coisas Lou!). Ela é de suma importância para que sua família sobreviva visto que a família não é nenhum pouco abastada. Ela gosta de usar roupas engraçadas, jamais deixa que a opinião das pessoas a tirem do sério ou a façam se sentir mal. Ah! Outra coisa! Ela tem um namorado babaca chamado Patrick. Ele definitivamente liga mais para si e para seu corpo do que para ela (narcisista do cão!). Odiei ele desde o primeiro instante em que foi citado pela nossa querida Lou, a narradora dessa linda história.

Depois de um milhão de tentativas, Louisa encontra emprego na casa dos Traynor, uma família abastada (podre de rica na verdade!), a fim de cuidar de Will, um jovem rapaz que ficou tetraplégico em um acidente.

Achei muito interessante como a autora teve a sensibilidade em se colocar no lugar de Will, que era forte e amante da vida, e mostrar ao leitor como é para uma pessoa perder tudo aquilo que mais se ama: a vontade de viver.

Jojo Moyes leva o leitor por caminhos incríveis e inimagináveis, mostrando ao leitor que o amor pode vir de onde menos se espera e que viver só vale a pena quando se tem aquilo que mais ama.

Me julguem, mas na minha opinião Will gostava mais de viver do que da Louisa. Não que ele não a amasse. Ela só não estava em primeiro lugar. Ela era apenas uma parte do que compõe aquilo que vem em primeiro lugar na lista de coisas que Will Taynor mais amava: a vida.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Paperboy - Resenha

Até hoje não sei bem o que achei deste livro. Se realmente gostei dele. Comprei ele porque estava barato e porque vi na capa que havia um filme sobre o livro com Zac Afron e Nicole Kidman, e pensei: "deve ser bom!".

O fato é que o livro só me surpreendeu (e fez um certo sentido) no final. Não que o livro seja incompreensível. O que quero dizer é que o significado dos personagens agirem de tal forma e serem loucos daquele jeito, só pode ser compreendido no fim da narrativa.

A história toda começa quando um xerife babaca (não posso caracteriza-lo de uma forma que não seja mal educada, mas para resumir ele não tinha escrúpulos nenhum) é assassinado. O culpado? Ninguém tem certeza. Ninguém sabe. Então, resolveram acusar Hillary Van Wetter, um cara cuja família (e ele próprio) não tem uma boa reputação.

O fato é que várias das provas apresentadas pela acusação são inconsistente. Desta forma, Charlotte Bless (uma mulher verdadeiramente insana na minha opinião) vai atrás de dois repórteres investigativos, Yardley Acheman e seu Ward, para juntarem provas suficientes para soltar um homem que ela nunca viu, mas que afirma ser homem da sua vida (eu avisei que ela era louca).

A história é narrada por Jack James, irmão mais novo de Ward, um garoto fracassado. O filho que é a vergonha do pai. Por meio de Jack, Pete Dexter vai nos levar por caminhos tortuosos e repletos de escárnio, mistério, romance e violência. O que irá sobrar e o que irá acontecer vai depender muito do esforço de Charlotte e seus companheiros visto que o prisioneiro mesmo não faz esforço algum para ajudar na busca pela sua inocência.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Uma Princesinha no País das Maravilhas - Primeiras Impressões


Quando o Flávio propôs a leitura das 20 primeiras páginas de seu novo livro, ele disse que o mesmo é uma mistura de Alice no País das Maravilhas e O Pequeno Príncipe. Por um momento, antes de iniciar a leitura pensei que talvez eu não seja a pessoa certa para tal trabalho visto que nunca li nenhum dos dois livros nos quais ele se baseou (me julguem!). Mas sabem de uma coisa? Eu estava errada.

Neste livro loucamente divoso, você vai conhecer o chapeleiro que é um personagem SUPER ambíguo pois ao mesmo em que é insano, ele é sensato; a princesinha, uma jovem encantadora e absurdamente interessante e outros muitos personagens de personalidade forte e (in)sensatez sem medidas.

Uma princesinha no País das Maravilhas é singelo e profundo, repleto de maravilhas (literalmente) que deixamos de ver no decorrer da nossa vida. Repleto de metáforas, o livro parece ser capaz de puxar a criança que dorme em um canto escondida ai no seu peito para lhe mostrar as belezas que você desaprendeu a ver.

Só que é o seguinte minha gente!

Para que este livro seja publicado, a meta no site do Catarse (site de financiamento coletivo) precisa ser batida!

Para quem não conhece, no Catarse você pode "doar" dinheiro mostrando seu interesse em colaborar e apoiar o projeto. Dependendo da quantidade doada, você recebe prêmios (isso varia com o organizador de cada projeto).

O Flávio Oliveira, autor de Uma Princesinha no País das Maravilhas, está oferecendo brindes MUITO legais (e lindos!) para quem ajudar a financiar o projeto que tem como objetivo publicar o livro.

Então, não deixe de clicar aqui para ver o projeto e decidir que valor você quer doar para o projeto e qual o brinde que você quer!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Sorteio - Cinquenta Tons Mais Escuros

Olá leitores!!!

Como todo mundo (ou grande parte dele) sabe, teremos em fevereiro (exatamente daqui a 1 mês) a estréia do filme Cinquenta Tons Mais Escuros estrelando o lindo Jamie Dornan (se tiver algum rapaz aqui, me perdoe mas é verdade) e a lindíssima Dakota Johnson (vamos concordar né meninas?).

Então, para que possamos começar a entrar no clima de preparação para o filme, irei sortear o exemplar da foto abaixo.

Vamos as regras???
(Lembrando que se você for sorteado e não seguir TODAS as regras, um novo sorteio será realizado!)

1. Aquele que desejar participar deve preencher corretamente a ficha abaixo.
2. O sorteio será feito no dia 09 de fevereiro de 2017 (quinta-feira).
3. O participante deve residir no território brasileiro (lê-se Brasil).  :)
4. O ganhador terá 24 horas para entrar em contato comigo em qualquer rede social ou e-mail (paginasdaminhavidaliteraria@gmail.com) após a divulgação do resultado.
5. Após feito o contato, teremos até 40 dias para enviar os prêmios. (Não nos responsabilizaremos por reenvio caso o pacote retorne por não recebimento, nem por extravio dos correios.
6. Caso o vencedor não cumpra os requisitos solicitados nesse formulário, ou o mesmo não seja preenchido corretamente, ele será desclassificado e um novo sorteio será realizado entre os outros participantes.

Depois de seguir TODAS as regras, você deve preencher o formulário clicando aqui para validar sua participação no sorteio!

Boa sorte seus lindos!!!

domingo, 8 de janeiro de 2017

Toda a Verdade - Resenha

Lembro até hoje de quando comprei este livro. Ele estava em promoção e a sinopse me chamou atenção. Resolvi levar e não posso dizer que me decepcionei, embora não tenha me apaixonado pelo livro. Mas para aqueles que gostam de histórias que envolvem política, guerra e mentiras, esse livro é ideal. Então, se você é daqueles que não curte livros com mortes, pode parar por aqui (o indicar para um amigo que goste, por que não?).

Em Toda a Verdade vamos conhecer Shaw, um cara que foi abandonado quando bebê e que, após se envolver com as pessoas erradas, acabou se tornando um caçador de bandidos para uma entidade secreta do governo. A missão de Shaw neste livro é desvendar e para a pessoa que está por trás de sério ataques. Ataques que levaram o mundo a beira de uma nova guerra mundial.

Bom... A pessoa que está causando todo esse "auê" é Nicolas Creel. Um cara podre de rico que, ao ver seus negócios afundarem devido a falta de guerras, contrata uma empresa que falsifica verdades. Uma empresa que cria histórias e as faz parecer verdadeiras.

E sabem como eles resolveram iniciar essa guerra que vai envolver a China e a Rússia causando um grande rebuliço no mundo todo?

Atacando e assassinando todos os trabalhadores da Phoenix Group onde Anna, a noiva de Shaw que é especialista em assuntos internacionais, trabalha.

Durante sua jornada, Shaw conhece Kate, uma jornalista que acabou com a própria carreira ao se entregar ao vício da bebida.

O livro é cheio de ação e os personagens vivem em uma nuvem de estratégia. É preciso estar sempre ligado para não perder nenhum detalhe do que vai acontecer. Baldacci conduz os personagens pela trama e pelos próprios sentimentos com mãos de mestre, e prende o leitor a cada página enquanto a trama se desenrola de maneira surpreendente.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Sal - Resenha

Verdade seja dita: comprei esse livro porque ele esta em promoção e porque todos os livros que li da Intrínseca são ótimos.

Poli, isso quer dizer que você não gostou do livro?

Mais ou menos. O livro não é péssimo mas também não é bom. É um livro que eu não queria ter lido pois a escrita da autora não me agradou muito.

A Letícia trás a história da família Godoy por meio de uma linguagem poética, carregada de metáforas e palavras que não são utilizadas por nós diariamente (o que torna o vocabulário do livro um tanto quanto complexo). Contudo, apesar de certa monotonia e cansaço que senti ao ler o livro, eu curti bastante a história e os personagens.

A família Godoy chegou para morar na ilha de La Duiva muitas gerações antes e a tradição de cuidar do farol de listras brancas e vermelhas foi passada de pai para filho durante muitos anos. E é assim que Ivan foi criado por seus pais. Durante o dia ele aprendia os oficios e cuidados necessários para manter o farol funcionando e a noite escapulia pela janela de seu quarto a fim de pescar com Ernest, um funcionário negro que ajudava nos cuidados do farol, adorava ler e era odiado por Doña Alba, mãe de Ivan.

Depois de muito "perrengue" com os pais, Ivan casa-se com Cecília e tem com ela seis filhos (filho pra besteira né gente? hahahaha...): Lucas, o filho que aprenderia a cuidar do farol mas no final não ficaria na ilha, Julieta, uma mocinha portadora de paralisia cerebral que viva atormentada pela alma de sua falecida avó Doña Alba, Orfeu, o filho de alma poeta, as gêmeas Eva e Flora e Tiberius, o amante das estrelas.

A história em si começa quando Cecília decide tricotar um grande tapete que contará a história da família. Uma cor para representar se marido, uma para representá-la, uma cor para cada um de seus filhos e uma cor para o homem que balançou as estruturas da família. É a partir desse momento, a partir dessa decisão de Cecília, que começamos a descobrir o que aconteceu com a família Godoy.

O homem que chega a ilha é um professor vindo de Londres que está a procura de Flora, que havia escrito um livro que para ele era impressionante. Entretanto, ao conhecer a família da doce Flora, ele descobre o amor por Orfeu, que vive a desenhar e declamar poesias.

Bom, creio que já dá para imaginar o rebuliço que um relacionamento homossexual causou na família visto que a história se passa em tempos antigos.

O fato é que isso altera o rumo de cada membro da família, levando alguns a decisões extremas. Cecília se vê sozinha na ilha e reza para que um dia, os Godoy voltem para La Duiva.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Contos de Fadas em Suas Versões Originais (Volume II) - Resenha

Olha só que coisa mais linda: terminei 2016 com o primeiro volume dos Contos de Fadas em Suas Versões Originais e vou começar 2017 com o segundo volume! \o/\o/\o/

Assim como o primeiro, o segundo volume é lindo e recheado de contos que rodearam a minha infância e de contos que eu desconhecia.

Pude refrescar a memória e relembrar os contos do Pequeno Polegar, Irmãozinho e Irmãzinha e Os Cisnes Selvagens, que são contos com os quais tive pouco contato na infância e não me recordava claramente.

Conheci duas versões de A Bela Adormecida. A versão dos irmãos Grimm tem este mesmo título e claramente foi a versão que inspirou a versão da Disney pois, é a mais tranquila por assim dizer. A versão de Giambattista Basile, é um pouco mais pesada e leva o título: Sol, Lua e Talia. Além disso, sua versão - percebi durante a leitura - foi a que serviu de base para a versão moderna escrita por Laren Kate que foi publicado no livro intitulado O Livro das Princesas, que já foi resenhado aqui no blog (Clique aqui para rever a resenha).

Não se enganem. Em nenhuma das versões a princesa se chamava Aurora. Isso é coisa de Disney! Na versão dos Grimm a princesa tinha o nome de Rosamond e na de Basile, Talia (um nome muito melhor que Rosamond né?).

Mas as diferenças não terminam ai. 

No conto de Basile, Talia é violentada sexualmente enquanto dorme, acaba engravidando de gêmeos e ainda tem que lidar com a esposa traída do homem que a violentou. (Eu falei que era bem mais trágico).

Já  no conto dos Grimm, a cidade toda cai no sono profundo e fica envolta por plantas espinhosas que não permitem a passagem de ninguém.

Ah! Não existe dragão em nenhuma das duas versões okay?! Isso é Disney!

Neste segundo volume, pude conhecer também o conto que inspirou o filme Frozen (Sim! O da Disney!). 

O que achei?

Nada muito parecido com Frozen! hahahahaha... Porem, muito educativo e me fez pensar muito sobre o comportamento que tenho perante as pessoas e durante as situações da vida.

Aliás, preciso falar sobre ele com alguém, trocar ideias e opiniões. Portanto, leiam e venham falar comigo por favor!!! hahahahaha...

Enfim, leiam o livro porque é ótimo e super vale a pena conhecer o outro lado dos contos que marcaram nossa infância! <3

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

EVENTO - Sessão de Autógrafos com Aimee Oliveira e Clara Savelli (Rio de Janeiro - RJ)


Olá leitores!!! 

A partir de hoje aqui no blog, teremos a Agenda Literária (esta na aba "Eventos"). Nesta agenda reunirei o máximo de eventos literários que conseguir para que você possam saber e ir participar com os nossos queridos autores e editoras okay?

Se você souber de algum evento que não está na agenda aqui do blog, você pode envia-lo para o e-mail paginasdaminhavidaliteraria@gmail.com com o assunto: "Eventos", que eu incluirei ele na agenda okay?

Vou estar sempre destacando para vocês eventos que eu participar ou que forem de parceiros do blog e aqui vai a primeira dica de um super evento:



Venha conhecer e rever as autoras mais fofas desse Brasil! Tem maneira melhor de começar o ano? Aproveite o evento para adquirir seu exemplar com autógrafo e receber muito carinho da Aimee e da Clara. E claro que sempre rola aquele brinde para quem for prestigiar o evento... Então, pode marcar na sua agenda!


Convidamos vocês para Sessão de autógrafos dos livros:


Mocassins & All Stars - Clara Savelli
Pela Janela Indiscreta - Aimee Oliveira

Amores Improváveis no colégio (coletânea de contos) - Aimee Oliveira [LANÇAMENTO]



O evento rola dia 08/01, às 16h, na Livraria da Travessa do Barra Shopping.



REGRAS DE PARTICIPAÇÃO
- O atendimento será por ordem de chegada;
- As autoras atenderá o maior número possível de leitores dentro do horário permitido pela livraria;
- Serão permitidas (MUITAS) fotos com celulares e/ou câmeras pessoais.

- Brindes estão sujeitos a disponibilidade em estoque. Então, chegue cedo!

Confirmem sua presença no evento do Facebook.


Participem!!!

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Desafio Literário Diminuindo a Pilha 2017



Olá leitores!!!

Este é o primeiro post de 2017 (Feliz ano novo seus lindos!) e quero, por meio dele, convidar vossas senhorias para participar de um desafio literário que está sendo organizado por um grupo de leitores la no facebook.

Meta: Diminuir a pilha de livros não lidos na estante!

O desafio tem algumas regrinhas e tópicos que devem ser seguidos todo mês. Neste post, colocarei os temas do desafio e também os livros que planejei ler durante o mesmo (rezando para conseguir). Caso você queira seguir o desafio junto com todo mundo, seguindo as regras e tals, peça para entrar no grupo do facebook e de uma lida sobre como tudo vai funcionar. 

É obrigatório entrar no grupo e seguir as regras? Não. Você pode fazer o desafio por conta própria, lendo livros de acordo com os temas propostos abaixo:

JANEIRO - Um livro encalhado na estante

Minha escolha: Sal da Letícia Wierzchowski

FEVEREIRO - Livro de um autor que você nunca leu

Minha escolha: Onde as Nuvens Fazem Sombra da Letícia Copatti Dogenski

MARÇO - Um livro de até 100 páginas

Minha escolha: Elevador 16 do Rodrigo de Oliveira

ABRIL - Um livro clássico

Minha escolha: Frankenstein ou o Prometeu Moderno da Mary Shelly

MAIO - Um livro mencionado em outro livro

Minha escolha: Sombras do Medo da Camila Pelegrini
(mencionado no livro Transformados do Jean Dias)

JUNHO - Livro de um autor nacional

Minha escolha: Espíritos de Gelo do Raphael Draccon

JULHO - Um livro que ganhou prêmio

Minha escolha: O Último Verso da Stéfanie Medeiros
(Vencedor do Prêmio Mato Grosso de Literatura)

AGOSTO - Um livro do gênero: Romance Histórico

Minha escolha: Agnus Dai No Mar de Água Doce do Rui Matos

SETEMBRO - Um livro que tem filme ou série

Minha escolha: The Leftovers do Tom Perrotta

OUTUBRO - Um livro do gênero: Terror

Minha escolha: Donnie Darko do Richard Kelly

NOVEMBRO - Um livro do gênero: Distopia

Minha escolha: Lágrimas na Chuva da Rosa Montero

DEZEMBRO - Um livro do gênero: Fantasia

Minha escolha: O Reino das Vozes Que Não Se Calam da Carolina Munhóz e Sophia Abrahão


Vamos participar???